17.12.08

.porta de cinema.

o mais engraçado de tudo (e talvez o ponto mais forte) desse filme todo é saber que depois de todas as indas e vindas, não existe mais nenhuma outra reprise. todas se foram, pra sempre. até mesmo a sessão da tarde. hoje respiro aliviada em saber que pra mim já foi. dei um tempo nos filmes antigos, pois já conheço perfeitamente cada cena, cada fala.
o cheiro de pipoca doce me lembra infância, apenas.

o que houve com todo aquele encanto que durante muito tempo carreguei comigo como uma jóia valiosa? uma resposta tão escrachada na minha cara. você jogou fora. como restos de migalhas. assim como fez com todas as chances que em minha inocente consciência, criei para nós dois. você nunca levou a sério. nunca acreditou em minhas frases decoradas, nos sorrisos sinceros.... nas minhas brincadeiras de te dizer a verdade... nas vezes que fui eu mesma com você.

então, depois de tudo isso. depois de vários meses de silencio nesta sala grande e vazia. de várias palavras cortantes como gilete afiada, onde nós dois saímos machucados, você aparece. assim, como que exigindo o seu lugar no sofá, como se nada tivesse acontecido.

como sempre.
como sempre foi.


mas dessa vez não mais será.
o filme é outro.
a mocinha saiu de férias e você saiu de cena.
o par romântico tem outra história, outra música.

aqui a tua bilheteria não faz mais sucesso.

1 comentários:

bicmuller disse...

não sei por que não comentei este texto antes.
ou sei.
é porque as legendas deste teu filme também são iguais as do meu.
antes de terminarem os créditos a gente já estará em exibição em outros cinemas, com outras platéias. sempre será.
espero que você esteja ali pra assistir comigo as cenas mais legais.
chega de dramas!